Os 5 maiores paraísos fiscais do planeta

paraiso-fiscasl-capaAs investigações da Polícia Federal brasileira sobre escândalos de corrupção tem despertado a atenção dos brasileiros para os chamados paraísos fiscais.

Para evitar pagar valores abusivos de impostos, empresários de diferentes partes do mundo escolhem investir seu dinheiro em paraísos fiscais. No entanto, também existem políticos corruptos que desviam dinheiro público para estes lugares visando o enriquecimento ilícito.

Atualmente existem inúmeros países e territórios que oferecem vantagens e baixos impostos para investimento de estrangeiros. Recentemente o site Web Luxo divulgou uma lista com os melhores paraísos fiscais do mundo, abaixo separamos o top 5:

5 – Luxemburgo
luxembourg
Considerado o centro bancário europeu, Luxemburgo possui pouco mais de 100 mil habitantes. É considerado um paraíso fiscal há algum tempo e conta com investimentos de inúmeras multinacionais que fogem de altas cargas tributárias.

4 – Hong Kong
hong-kong
Entre os BRICS, a China vem se destacando com um crescimento econômico impressionante. Hong Kong é um dos seus principais centros administrativos sendo considerado um dos paraísos fiscais emergentes. Por esse motivo, Hong Kong possui um número crescente de milionários.

3 – Ilha de Man
ilha-de-man
A Ilha de Man está situada entre a Inglaterra e a Irlanda e atrai investidores de todo o mundo por ser um centro financeiro com impostos baixos.


2 – Ilhas Cayman

ilhas-cayman-original
Os brasileiro já ouviram falar muito nas Ilhas Cayman por causa dos inúmeros escândalos de corrupção envolvendo políticos. Considerado um território da Inglaterra, possui centenas de bancos e milhares de empresas registradas. Estima-se que os bancos das Ilhas Cayman movimentem mais de um trilhão de dólares em contas e investimentos.

1 – Bahamas
bahamas
Considerado um dos paraísos fiscais mais conhecidos, Bahamas firmou acordos de informação com 29 nações para casos de investigação criminal. Inicialmente os empresários eram atraídos pela não cobrança de impostos diretos, que atestava a inexistência de tratados de dupla tributação com outros países.